Portal do Governo Brasileiro

OK

23/05/2011
Servidores são presos por prática de ilícitos no estado do Amapá

Operação deflagrada hoje (23) pela Polícia Federal juntamente com a Controladoria-Geral da União e a Receita Federal do Brasil realizou seis prisões preventivas e duas prisões temporárias, além de cumprir dez mandados de busca e apreensão no estado do Amapá. A operação é um desdobramento da Operação Mãos Limpas, realizada em setembro do ano passado, e visa coibir a prática de ilícitos no âmbito de órgãos públicos federais sediados no Amapá.

Auditoria realizada pela CGU em janeiro deste ano revelou a existência de uma organização criminosa em plena atuação na Superintendência Federal de Agricultura no Amapá (SFA/AP) e que não cessou as atividades ilícitas em prejuízo da União, mesmo após a Operação Mãos Limpas.

Ao analisar processos licitatórios na Superintendência Federal de Agricultura do Amapá e na Superintendência Federal de Pesca e Aquicultura (SFPA/AP) naquele Estado, a CGU constatou vícios idênticos àqueles já verificados antes da deflagração da Operação Mãos Limpas, a exemplo de sobrepreço de produtos adquiridos, falsificação de documentos, direcionamento e manipulação de licitações.

Entre os envolvidos de agora estão também alguns dos mesmos implicados nos ilícitos descobertos no ano passado: o superintendente Federal de Agricultura do Amapá, Ruy Santos Carvalho, e o servidor público da SFA/PA Raimundo Santos Cardoso. Investigações levaram à constatação de que esses dois e outros dois servidores alternavam-se na direção da SFA/AP mantendo o esquema ilícito com o apoio dos integrantes da Comissão de Licitações.

Constatados os ilícitos, a Polícia Federal representou junto à Justiça Federal do Amapá pela execução das prisões e dos mandados de busca e apreensão, sendo a representação deferida pela autoridade judicial em sua totalidade. Os mandados foram cumpridos em residências, empresas e em dois endereços da SFA/AP. Além dos servidores, dois empresários também foram presos por envolvimento nos ilícitos.

 

Assessoria de Comunicação Social
Controladoria-Geral da União

voltar para o menu acessível